João Adolfo Guerreiro

Descobrindo a verdade/ sem medo de viver/ A liberdade de escolha/ é a fé que faz crescer.

Textos


40 anos LP Brasil Mestiço - Santuário da Fé, de Clara Nunes

Em 18 de agosto de 1980, há 40 anos, era lançado o décimo-quarto e antepenúltimo Long Play em vinil da carreira de Clara Nunes, uma das grandes cantoras brasileiros do século passado, figura marcante da história da Música Popular Brasileira - MPB. Por que falar dele hoje? É para responder a essa pergunta que escrevo essa crônica.

O LP, conforme fontes extra-oficiais, foi o disco que mais vendeu (1) na carreira de Clara: mais de dois milhões de cópias. Duas grandes contribuições que ele deu à sua época e que ainda são válidas, são a afirmação da mestiçagem característica do país e da sua pluralidade religiosa, ao se centrar nas crenças de matriz africana, principalmente a Umbanda - única religião 100% brasileira, da qual a cantora era fiel -, tão perseguidas e difamadas nos dias de hoje. A canção título, composta por Mauro Duarte e Paulo César Pinheiro - marido da intérprete -, traz essa visão em sua letra:

"Vem desde o tempo da senzala Do batuque e da Cabala O som que a todo povo embala E quanto mais forte o chicote estala E o povo se encurrala O som mais forte se propala E é o samba É o ponto de Umbanda E o tambor de Luanda É o Maculelê e o lundu É o Jongo e o Caxambú É o Cateretê, é o Côco e é o Maracatu O atabaque de Caboclo, o agogô de Afoxé. É a curimba do batucajé É a Capoeira e o Candomblé É a festa do Brasil mestiço, santuario da fé."

Além de Brasil Mestiço, o disco contém outras doze canções. Morena de Angola, maior sucesso do LP, é um composição de Chico Buarque: "Morena de Angola que leva o chocalho amarrado na canela Será que ela mexe o chocalho ou o chocalho é que mexe com ela". Viola de Penedo (Luis Bandeira) - "Lingo lingo lingo lingo A viola de penedo toca ponteado Bongo bongo bongo bongo É zabumba a noite toda no coco rodado" - e Peixe com Coco (Alberto Lonato, Josias, Maceió do Cavaco) - "Terezinha mandou convidar, no domingo vai dar um jantar É um peixe com coco eu vou lá" - também rodaram muito nas rádios em todo o país. Dia a Dia, de Candeia e Jaime, mostra uma preocupação social com o mundo do trabalho para as classes pobres: "Não é mole não Acordar segunda-feira pra tentar ganhar o pão'. Última Morada, de Noca da Portela e Natal, pode ser vista como um canção epitáfio, tendo em vista que Clara faleceria em 1983, aos 40 anos, por complicações durante uma operação de varizes: "Assim no céu terei felicidade E das belas coisas da vida não sentirei saudade". Parece não ter sentido mesmo, pois numa carta sua psicografada pelo médium Chico Xavier, disse estar muito bem, apenas preocupada com o marido estar bebendo muito durante seu luto.

Completam Brasil Mestiço - Santuário da Fé: Sem Companhia (Ivor Lancelotti, Paulo César Pinheiro), Ninho Desfeito (Nelson Cavaquinho, Wilson Canegal). Coração em Chama (Elton Medeiros, Mauro Duarte), Estrela Guia (Sivuca, Paulo César Pinheiro), Regresso (Candeia), Meu Castigo (Paulo César Pinheiro) e Artifício (Paulo César Pinheiro, Mauro Duarte). Era isso. Um dos discos ímpares da MPB, de uma artista única que marcou época e deixou muita saudade, pois cantou um Brasil plural e democrático, enaltecendo as coisas e a diversidade de seu povo.



(1) - Vendagem dos LPs de Clara Nunes, por ordem de estimativas extra-oficiais: Brasil Mestiço (1980: 2.002.450 cópias / 500 mil cópias oficiais), Canto das Três Raças (1976: 1.285.058 / 500.000), Nação (1982: 1.254. 998 / 600.000), Claridade (1975: 1.125.410 / 600.000), Guerreira (1978: 1.011.005 / 350.000), Esperança (1979: 900.485 / 350.000), Clara (1981: 811.587 / 350.000), As Forças da Natureza (1977: 809.047 / 400.000), Alvorecer (1974: 784.028 / 400.000), Clara Nunes (1973: 250.120 / 75.000), Brasileiro Profissão Esperança (1974:  219.000 / 75.000), Clara Clarice Clara (1972: 164.542 / 40.600), Clara Nunes (1971: 158.710 / 24.000), Você Passa Eu Acho Graça (1968: 6.900), A Beleza Que Canta (1969: 5.500) e A Voz Adorável de Clara Nunes (1966: 3.100).
João Adolfo Guerreiro
Enviado por João Adolfo Guerreiro em 18/08/2020
Alterado em 18/08/2020


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras