João Adolfo Guerreiro

Descobrindo a verdade/ sem medo de viver/ A liberdade de escolha/ é a fé que faz crescer.

Textos


Aniversários

Ontem recebi uma ligação do Dudu, dizendo-me que não havia esquecido do que se comemoria hoje. Entretanto, eu não fazia ideia sobre o que ele se referia. O que é, Dudu? Ô João, o aniversário de fundação da Associação de Literatura de Charqueadas - ASLIC! Verdade, eu esquecera completamente, mas o Dudu, historiador amador e pesquisador aficcionado pela história da cidade, não. O Dudu é o cara.

Então, hoje, matarei três coelhos com uma cajadada só, como se costuma dizer, pois escreverei sobre os três aniversariantes do dia: O Dudu, a ASLIC e o Vigilante Rodoviário. E, aproveitando o ensejo, também da grande poetisa charqueadense dona Valda, saudosa e inesquecível, hoje um anjo no céu da poesia, que estaria comemorando seu aniversário por esses dias.

Jorge Luís Silveira de Jesus, o Dudu, é uma pessoa muito conhecida na cultura local, por ser bastante ativo, interessado e participativo na área. O Dudu faz 48 anos hoje. Ele estava na fundação da ASLIC, foi um dos membros fundadores naquele 29 de julho de 2006, quando o cronista Rodrigo Ramazzini foi aclamado seu primeiro presidente, cargo que depois seria ocupado pelo poeta Daynor Lindner. A ASLIC, hoje, completa 14 anos, e encontra-se temporariamente inativa. Foi uma decisão certa daquela assembléia deixar a ASLIC apenas como entidade de fato, não de direito. Se por um lado não poderíamos fazer convênios públicos ou privados, por outro não teríamos de nos preocupar com demandas e obrigações legais e financeiras caso a mesma se enfraquecesse, como muito acontece nesses casos. De fato, em 2011, após sua sétima edição, o Sarau Litrário de Charqueadas, o grande motivador da criação da ASLIC, não mais aconteceu e, desde então, a associação permanece latente, ou seja, pode ser retomada a qualquer momento, desde que haja efervescência literária para tal.

A ASLIC surgiu fruto da mobilização gerada pela Conferência Municipal de Cultura de 2005, quando, em outubro, há 15 anos, ocorreu a primeira edição do Sarau Literário - uma história que contarei em outro texto -. Nesse Sarau a patronesse escolhida foi justamente a poetisa Valda Tissot Junqueira que, se fosse viva, faria 87 anos no último domingo, 26 de julho. Nasceu em Arroio dos Ratos, em 1933, fixando residência em Charqueadas em 1958, trabalhando como professora. Participou de diversas antologias e publicou os livros Do outro lado da vidraça (2002) e Poesia com hora marcada (2008). Nos deixou em março de 2013. Em março de 2018, por projeto de iniciativa da vereadora Patrícia Ferreira, o antigo Salão do Sesi, localizado no atual Centro Administrativo Manoel de Souza João, passou a se chamar Espaço Cultural Poetisa Valda Tissot Junqueira. Valeu, Dudu, se não fosse a tua ligação ontem, não estaria escrvendo essa crônica hoje. Parabéns!

VIGILANTE RODOVIÁRIO - Nesse 29 de julho quem também faz aniversário é o ator Carlos Miranda, completa 87 anos. Nasceu no mesmo ano que a dona Valda! Realmente, 1933 rendeu ótimos frutos. Miranda interpretou o papel do Inspetor Carlos na primeira série brasileira, O Vigilante Rodoviário, onde, junto com seu cão pastor alemão Lobo, envolvia-se em diversas aventuras, exibidas a partir de março de 1961, atingindo um total de 38 episódios. O seriado, criado e dirigido pelo cineasta Ary Fernandes(1931 - 2010) é atualmente reprisado pela TVE, canal 7, e fácil de encontrar no You Tube. Carlos Miranda, após o término da série, passou a trabalhar na Polícia Rodoviária de São Paulo, onde se aposentou. Ainda possui o carro Simca-Chambord estilizado utilizado na série, com o qual participa de eventos, devidamente uniformizado como a pioneira personagem que intertpretou, marcando a história televisiva nacional.
João Adolfo Guerreiro
Enviado por João Adolfo Guerreiro em 29/07/2020
Alterado em 29/07/2020


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras