João Adolfo Guerreiro

Descobrindo a verdade/ sem medo de viver/ A liberdade de escolha/ é a fé que faz crescer.

Textos


Imagem - Pintura de James Tissot (1836 - 1902)

O que é o Natal?


É agradável ver o vento mover ruidosamente as copas verdes e frondosas das árvores, com o céu azul límpido decorado de nuvens brancas como pano de fundo, nessa tarde do domingo anterior ao Natal, ensolarada e, ao mesmo tempo, amena na medida certa. O ressoar das árvores lembra um pouco o das ondas do mar igualmente azul, recheadas de espuma prata em suas cristas efêmeras. Verde, azul, branco e prata, ah, as cores, o encanto desse belo mundo.

O que é o Natal, então? É a data, convencionada, que marca o nascimento de Jesus. Não há referência histórica na Bíblia sobre o dia exato, como existe com a Páscoa. Isso são coisas que todos sabemos e acerca das quais não vou, aqui, discorrer. Importa agora que esse é o sentido geral do Natal, para todos: o nascimento de Jesus. Ou deveria ser, eis que, para muitos, assim como para o pequeno Joãozinho dos anos 1970, lá na Colônia, é o dia do Papai Noel, da árvore de Natal com bolinhas e luzinhas, do presépio e dos presentes. E o presépio muitas vezes nem aparece ou fica apenas como adorno. Coisas boas e salutares, mesmo assim.

O que desejo é falar sobre o que é o Natal para cada um de nós, especificamente, ao lado, subalternamente ou não, conforme cada pessoa, de seu significado religioso e histórico, comum a todos nós. Para mim Natal sempre foi e ainda é família reunida. Parece que Natal sem os familiares por perto não é Natal. Objetivamente é Natal, mas subjetivamente, no meu coração, é algo que fica capenga. Todo mundo reunido, vivo, respirando e caminhando na noite de 24 para 25 de dezembro, eis a grande magia do Natal para mim, onde toda família é sagrada, mesmo não sendo A Sagrada Família. Torna-o agradável e perfeito como a tarde do domingo passado e encantador como as cores desse belo mundo.

Estou falando por mim, claro. O que é o Natal para ti, tu é que sabe. E se o Natal é para ti o que é para ti, que assim o seja, ao lado do sentido geral da data. Escrevo, claro, pressupondo um leitor para o qual o Natal possua sentido, significado e importância. Para quem não liga e acha que é somente mais um dia, um texto como esse nada diz, não tem serventia alguma. A pessoa tem, claro, todo o direito de pensar assim, está no alvitre do seu livre arbítrio; não condeno, sob aspecto algum. Respeito, eis que o Natal, sendo Jesus, é amor ao próximo e, sem respeitar ao próximo, aceitando-o, não há como amá-lo. Respeitar, aceitar, conviver. Isso também é Natal, para mim, junto a meus familiares.

Logo, cada um de nós bem sabe, a sua maneira, o que é o Natal. Um bom Natal para todos, então. Que ele seja exatamente do jeito que tu o vê e gosta.
João Adolfo Guerreiro
Enviado por João Adolfo Guerreiro em 23/12/2019
Alterado em 23/12/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de João Adolfo Guerreiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras