João Adolfo Guerreiro

Descobrindo a verdade/ sem medo de viver/ A liberdade de escolha/ é a fé que faz crescer.

Textos


A loira do Grenal

Domingo passado fomos eu e meu sogro assistir o Grenal 422, na Arena. Ao chegarmos fui comprar ingresso para a superior oeste, onde possuo carteira, mas não havia mais entradas para o setor, obrigando-me a comprar para outro.

Bom, faltavam três horas para o jogo, então fomos no Museu do Grêmio e, após, na Hamburgueria 1903. Estamos sentados, assistindo o Flamengo triturar o “Curíntia” na TV, quando entra uma loira alta e formosa trajando um shorts branco minúsculo e ginecológico e uma camisa do Grêmio. A hamburgueria toda tirou os olhos do Mengo x Timão e desviou-os para ela.

- Viu só, sogro?
- É, e eu aqui, aos 75, um pobre sheik sem petróleo.
Rimos.

Ela dirigiu-se, junto com duas mulheres e um senhor que a acompanhavam, para a fila do banheiro feminino. Percebi que a rapaziada foi para lá e começou a tirar fotos com a moça, que os atendia prestativa e sorridente. “Deve ser uma modelo famosa ou uma musa do Grêmio” – pensei. Saímos dali e fomos para o interior da Arena curtir o que seria um gostoso Grêmio 2x0 Inter que, inclusive, poderia ter sido uns 4x0. Terminou o clássico e saímos felizes para Charqueadas.

No dia seguinte, no serviço, um colega veio até mim com o celular na mão.
- João, João, tu não foi no Grenal? Não te vi lá. Mas bah, tu não sabe o que perdeu...
- Fui sim Jura, mas como levei o meu sogro junto tive de ir para outro setor, não no nosso.
- Cara, tu nem sabe! Uma loira, umas filas acima da minha, bem onde tu senta, na hora do gol do Rômulo, tirou a camiseta e ficou com os peitos de fora! Os caras estavam filmando ela, daí viraram o celular para a torcida abaixo e eu apareci, olha.

Mostrou-me o vídeo no celular. Sabem quem era essa loira? Sim, a mesma que vimos na hamburgueria.
- Ela já fez isso num jogo do Grêmio em outro lugar, fora da Arena. Só que entrou no campo e tirou a camisa – informou Jura, explicando, assim, o motivo do assédio dos torcedores à guria na 1903.

E, por mais paradoxal que seja, tudo se deu no maior respeito, ou seja, ninguém na torcida se passou com a loira, o pessoal somente deu risada e curtiu o topless, de boa, educada e civilizadamente. Suspirei aliviado. Na verdade o meu sogro me salvou da saia-justa de chegar em casa e ter de explicar para minha esposa colorada, já aborrecida com o 2x0 contra o seu time, o que eu estava fazendo ao lado de uma loira com peitos de fora.
- Bah João, tu perdeu essa, cara, deu azar.
- Acho que tive foi sorte, Jura. muita sorte.

PS - Uma outra coisa legal que aconteceu no Grenal 422 foi um pedido de casamento bem inusitado, de uma mulher para outra, durante o intervalo, que foi transmitido ao vivo pelo telão. Muito boa e respeitosa a acolhida. Um grande lance institucional do Grêmio, clube da saudosa torcida Coligay, contra a discriminação e o preconceito.
João Adolfo Guerreiro
Enviado por João Adolfo Guerreiro em 06/11/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de João Adolfo Guerreiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras