João Adolfo Guerreiro
Descobrindo a verdade/ sem medo de viver/ A liberdade de escolha/ é a fé que faz crescer.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Meu Diário
15/06/2017 19h53
LEILA DINIZ, 45 anos

Ontem fez 45 anos que a atriz Leila Diniz faleceu num acidente aéreo na Índia, aos 27 anos. Uma biografia que ainda tem o que dizer em 2017.

Carioca, formada em magistério, deu aulas num jardim de infãncia até virar atriz de cinema e TV, onde se destacou com figura pública ao ser um exemplo de mulher liberada, avessa aos costumes conservadores da época. A foto acima, acreditem, causou repercussão em 1971, pois uma mulher grávida não se permitia esses desfrutes à beira mar.

Antológica também sua entrevista ao jornal O Pasquin: "Transo de manhã, de tarde e de noite" - disse, dentre outras declarações bombásticas para o Brasil setentista, em plena Ditadura Militar.

Uma mulher a´frente de seu tempo? Leila era o futuro do presente e hoje é presente. A luta por igualdade de direitos e por pleno controle do corpo e da vida ainda está na ordem do dia para as mulheres. Leila continua uma referência.

Um pouco mais sobre Leila em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Leila_Diniz

 


Publicado por João Adolfo Guerreiro em 15/06/2017 às 19h53
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de João Adolfo Guerreiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
11/06/2017 18h30
100 anos de Otília Damasceno Rocha

Hoje Otília Damasceno Rocha (solteira: Otília Faleiro Damasceno), filha de Onório Rosa Damasceno e Emília Faleiro, estaria completando 100 anos. Nasceu na localidade de Passo Fundo, em Santo Amaro (distrito de General Cãmara - RS). Falecida em 28 de agosto de 1993, foi casada com Cecílio Gomes da Rocha (1901 - 1976), com quem teve sete filhos (teve uma filha de um segundo casamento), dentre eles Pedro Noé Damasceno Rocha (1945).

Pela parte de Pedro, foi sogra de Eva Maria Goulart Rocha (1950), avó de Rosilane (1966), Denilson (1971) e Pedro Goulart Rocha (1988), bisavó de Pablo César Rocha (1992, Fº Denilson) e Joana Rocha Guerreiro (1997 Fª Rosilane) e tataravó de Maria Laura Ciotta Rocha (2006).

Seu filho Pedro, nesta data, fez, em sua residência, um churrasco para comemorar, assado pelo bisneto Pablo.


Publicado por João Adolfo Guerreiro em 11/06/2017 às 18h30
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de João Adolfo Guerreiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
10/06/2017 15h40
MORRE ADAM WEST, O BATMAN DA TV

"Famoso pelo papel de Batman na série de TV dos anos 60, o ator e dublador norte-americano Adam West morreu na noite dessa sexta-feira, aos 88 anos. A informação foi divulgada pelo site Hollywood Reporter.  Adam West lutava contra leucemia por anos. A série pela qual ficou famoso foi ao ar de 1966 a 1968.

William West Anderson nasceu em 19 de setembro de 1928, em Walla Walla, Washington. Apesar de ter trabalho em mais de 60 filmes e 80 programas de TV, West atingiu a fama como Bruce Wayne. Recentemente, ele interpretava o prefeito Adam West na série animada "Uma Família da Pesada".

 

TEXTO ACIMA RETIRADO DO JORNAL CORREIO DO POVO DE HOJE:

http://www.correiodopovo.com.br/ArteAgenda/Variedades/Gente/2017/06/620071/Morre-Adam-West,-ator-famoso-pelo-papel-de-Batman--


Publicado por João Adolfo Guerreiro em 10/06/2017 às 15h40
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de João Adolfo Guerreiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
10/06/2017 14h27
MIURA, 40 ANOS DO CARRO GAÚCHO

FOTO - Nilo Laschuk foi o projetista dos primeiros modelos de Miura Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS

Miura, o carro esportivo gaúcho que virou mania nacional, completa 40 anos 

Reportagem da série Singular – Um Olhar sobre o Rio Grande reconta a história da lenda automotiva 

Por: Zero Hora 09/06/2017 - 14h09min | Atualizada em 09/06/2017 - 14h09min

Há 40 anos, nascia uma lenda automotiva gaúcha. Em junho de 1977, foi entregue o primeiro Miura, carro esportivo produzido no Rio Grande do Sul que virou mania nacional nas décadas de 1970 e 1980 — e chegou a ser exportado para países como Argentina, Estados Unidos e Portugal.

Quem conta sua história, em reportagem da série Singular — Um Olhar sobre o Rio Grande, é Nilo Laschuk, que projetou os primeiros modelos da marca.

Clique na imagem abaixo para acessar a reportagem especial:

http://zh.clicrbs.com.br/rs/vida-e-estilo/noticia/2017/06/miura-o-carro-esportivo-gaucho-que-virou-mania-nacional-completa-40-anos-9812422.html


Publicado por João Adolfo Guerreiro em 10/06/2017 às 14h27
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de João Adolfo Guerreiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
10/06/2017 13h11
Crime passional

Quatro cachorros grandes mataram o Alemão, segundo informou Carlinhos, meu vizinho. Ele de vez em quando faz bico de taxista e disse que viu os cachorros liquidando com o Alemão perto de onde ficava o CTG Ramiro. Carlinhos tocou o carro por cima do bando para afastá-los, mas já era tarde.

O Carlinhos lembrou do fato agora há pouco, pois chamamos ele pra ver se um gato branco peludo morto debaixo de um carro na frente da minha casa era dele. Os donos do carro me chamaram pra ver se era meu. Não era meu nem do Carlinhos. Daí eu perguntei pra ele pelo Alemão, que estava sumido. O Alemão costumava ficar uns dois ou três dias direto na farra, para aparecer depois magro e, por vezes, detonado. Da última vez, sem um pedaço da orela. A idade já estava pesando, pelo visto.

Tudo por causa de uma cadela no cio. Crime passional: linchamento canino. Alemão faria 10 anos esse mês, é irmão do meu cachorro, o Botafogo, que, aliás, tive de botar na corrente para evitar que tivesse o mesmo fim, pois o danado aprendeu com os gatos a pular o portão de ferro da casa, escalando-o. O Botafogo é preto e branco (mais preto) e o Alemão era alemão, é o da foto acima. Os dois filhos do (grande e inesquecível) Aquiles e da Filompeta, saudosos.

O Carlinhos disse que umas mulheres que estavam por ali o colocaam no lixo. Fazia uma semana que o Alemão sumira, minha sogra, dona do Alemão, havia me dito ontem. Eu disse que hoje eu iria procurá-lo. Ia fazer isso hoje pela tarde. Pela manhã minha esposa e meu sogro haviam dado uma banda pela região da Beira Rio atrás dele. Eu sabia que o Alemão não estaria por lá, pois sei que ele circulava pela banda de cima da cidade, já peguei ele pela Câmara de Vereadores e pelo Parcão, sempre pelo mesmo motivo: cachorras.

O Alemão tinha esse nome por causa do Alemão do BBB, era bem pela época que ele nasceu. Eu gastei uma grana violenta para salvar ele, que pegou cinomose e parvirose quando tinha uns seis meses. Ele e a Vitória, irmã dele e do Botafogo, que era toda cor de chocolate, linda. Um carro atropelou-a quando ela tinha uns dois anos. O Alemão nunca se deu mal com carros, vivia na rua e sabia se virar muito bem, era super safo. Morreu por um linchamento covarde perpretado pelos de sua própria espécie.

Aliás, a gente não vê cadela brigando por cachorro, só o contrário. Aliás, só os macho é que se matam por fêmeas, nunca o contrário. Isso é uma lição para nós homens, não é mesmo?

Bom, o Alemão era um cão muito tri, eu gostava muito dele. Dava rango e carinho pra ele, direto, já que as casas são vizinhas. Ele de vez em quando entrava lá no meu pátio e dormia por lá. A minha esposa pegava no meu pé porque ele tinha o mau hábito de puxar as roupas da cerca para dormir em cima. Eu vinha aqui pra lan e ele, de vez em quando, vinha atrás. Ele seguia eu e a minha sogra pelo centro. Nos outros lugares eu não me incomodava, mas na lan era mais complicado, mesmo com o pessoal de lá não ligando. Ele subia três lances de escada e, quando eu via, lá estava ele, ao lado de minha cadeira. FDP! Eu tinha de voltar e trancar ele no meu pátio e ele lá ficava, eis que não savbia, como o Botafogo, escalar o portão de ferro.

Um bom cachorro. espero que tenha dado uma procriada antes de morrer, para sua partida não ter sido em vão. O Botafogo está lá, na corrente. Vou reformar o portão para ele não escalar mais e para ele voltar a ficar solto pelo pátio. Na corrente não é vida, mas a rua é morte certa para cães de porte médio metidos a fornicadores.

PS - SE LEREM ESTE TEXTO, POR FAVOR, NÃO COMENTEM NADA COM MINHA SOGRA, QUE ELA ESTÁ MUITO ABALADA COM O SUMIÇO DO ALEMÃO.


Publicado por João Adolfo Guerreiro em 10/06/2017 às 13h11
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de João Adolfo Guerreiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 5 de 103 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]