João Adolfo Guerreiro

Descobrindo a verdade/ sem medo de viver/ A liberdade de escolha/ é a fé que faz crescer.

Textos


Bárbara, a resistente

Bárbara viveu na cidade de Nicomédia de Bitínia, atual Turquia, situada às margens do Mar de Mármara, sob domínio do imperador romano Maximiano, no período da virada do sécuo III para o IV. Filha única de um rico e nobre local chamado Dióscoro, fanático pagão, foi por este mantida numa torre a fim de ser instruída e preservada dos males do mundo.

Todavia, a nossa Rapunzel cristã não possuia tranças e tampouco esperava um princípe humano para lhe salvar, mas sim dedicou seu amor a Jesus, do qual tomara conhecimento ao contatar cristãos em suas andanças pela cidade. Isso ocorreu porque, fazendo justiça ao nome, Bárbara era bela, o que lhe garrantia admiração e pedidos de casamento, os quais, para decepção do seu pai, eram recusados pela moça. Assim, Dióscoro lhe permitiu sair do isolamento e conhecer o mundo, a fim de que abrisse a mente e considerasse as vantagens e prazeres de um bom matrimômio. Todavia, o tiro saiu pela culatra, pois o coração da moça foi conquistado pela fé espiritual.

Ao voltar de uma viagem, ao ser informado pela filha de sua conversão ao cristianismo, Dióscoro foi tomado por uma fúria cega e ele mesmo a denunciou à Marciniano, autoridade romana local. Esse, por sua vez, mandou torturá-la a fim de arrancar à força Jesus de seu corpo, o que resultou ineficaz, pois a moça, além de reafirmar sua crença, tinha os ferimentos milagrosamente curados. Enquanto Bárbara era torturada em praça pública, resistindo bravamente, uma amiga, Juliana, denunciou o nome de seus carrascos, o que era proibido. Bom, claro que tudo isso deu em morte para as duas.

Bárbara teve os seios cortados e foi decapitada pelo próprio pai. Tão logo sua cabeça rolou pelo chão de Nicomédia, um raio caiu dos céus e atingiu em cheio o cruel genitor, carbonizando-o. Por seu martírio, Bárbara virou santa aos olhos do povo cristão, chegando seu nome até os nossos dias, onde continua a resistir pela fé que suscita o seu exemplo de amor inabalável e incondicional a Jesus.

Em 1969, durante o Concílio Vaticano II, já no papado de Paulo VI, seu nome foi retirado do Calendário Litúrgico junto com outros santos (Santa Cecília entre eles), cuja existência e história é considerada questionável ou impossível de ser cerificada, embora ainda possam ser venerados nas localidades onde são tradicionalmente representativos. Em dezembro de 2004 o papa João Paulo II° reabilitou a santa, dirigindo-se a milhares de marinheiros italianos reunidos na Basílica de São Pedro durante uma missa de ação de graças à Santa Bárbara: "Esta jovem mártir deu um testemunho corajoso de sua fé. Não teve medo da morte para não trair sua fidelidade a Cristo e ao Evangelho".

Aqui em Charqueadas, é a padroeira dos Mineiros, um dos históricos segmentos da classe operária da cidade, de grande importância sócio-econômica durante o ciclo produtivo do carvão. Por muitas décadas, era grande atração cultural e religiosa local a Festa de Santa Bárbara, realizada no feriado municipal do dia 4 de dezembro junto a Igreja Nossa Senhora dos Navegantes, onde Santa Bárbara é representada em imagem e também num belo vitral (vide foto que ilustra essa crônica).

Também em solo charqueadense a santa resiste. Por duas vezes já tramitaram pela Câmara de Vereadores projetos visando alterar o feriado municipal que a homenageia, o que não foi aceito, principalmente, pela contrariedade manifesta pelas famílias mineiras. Outra contenda se deu quando a prefeitura emcomendou ao artesão local Antônio Carlos Paula da Silva uma estátua em tamanho natural representando-a, a fim de colocá-la em frente ao Memorial ao Mineiro, no Parcão situado na entrada da cidade, junto a ERS 401. Houve desacordo por parte de setores da população, contrários a que fosse ali colocada a estátua. Entretanto, Santa Bárbara venceu mais essa. A santa é forte, ora pois, tal qual o seu vitral na Navegantes, que há anos resiste às pedradas dos vândalos.

Desde o dia 1° ocorre novamente a Festa em Honra a Santa Bárbara no município, com missas (tríduo) até o dia 3, sempre às 19h30min, na Navegantes. Hoje acontece a Procissão Luminosa, com saída às 19 horas do Parcão. Amanhã, dentro da programação, será realizada Missa Festiva às 10h30min e um almoço de confraternização.

PS - Com essa crônica, encerro a série que ao longo de 2019 homenageou os santos representados nos vitrais da Igreja Nossa Senhora dos Navegantes, pela ordem de data: Nossa Senhora dos Navegantes (fevereiro), São José (março), São João Batista (junho), Santa Teresinha (outubro), Santa Cecícilia (novembro) e Santa Bárbara (dezembro). Entendo que a igreja e seus vitrais fazem parte do patrimônio artístico de Charquedadas.
João Adolfo Guerreiro
Enviado por João Adolfo Guerreiro em 03/12/2019
Alterado em 03/12/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de João Adolfo Guerreiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras